Acusado de morte de advogado canindeense é absolvido em Fortaleza

O Conselho de Sentença da 1ª Vara do Tribunal do Júri do Fórum Clóvis Beviláqua julgou, na última quarta-feira (27), o último réu suspeito de participação na morte do advogado canindeense José Wilson de Andrade Freire, morto a bala no dia 23 de junho de 2001, no bairro José Walter, na capital Fortaleza.

Por maioria, o Conselho Popular não reconheceu que o réu Francisco Fábio da Silva participou para o fato, transportando de motocicleta o executor até o local onde se encontrava a vítima, restando os quesitos subsequentes prejudicados.

Outro réu apontado como pistoleiro, Edneudo Oliveira da Silva (Edneudo Pipoca), também já havia sido absorvido, no dia 25 de maio de 2016.  Edneudo morreu em novembro deste ano, em um confronto com a Polícia Militar do Estado do Tocantins.

Outros dois suspeitos: Manoel Carneiro Neto, foi morto a tiros, no 14 de dezembro de 2013 em uma vaquejada, no Município de Tabuleiro do Norte. Também já falecido, vítima de um infarto em março de 2015, o ex-prefeito de Canindé, Luís Ximenes Filho configurava como mandante do crime. Ambos morreram antes de ir a julgamento, mas diante das absolvições de Francisco Fábio e Edneudo Oliveira, fica evidente a escassez de informações para incriminar Ximenes Filho, haja vista que Francisco Fábio era motorista do político.

Denúncia

Em fevereiro de 2003, a justiça recebeu a denúncia do Ministério Público contra os acusados, mas decidiu não os mandar a julgamento, alegando ´insuficiência de provas”. Foi determinado ainda a expedição de alvarás de soltura para os acusados que estavam presos preventivamente. O Ministério Público recorreu e em 2009 a Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado decidiu mandar os réus a julgamento.